20 de ago de 2010

6 de ago de 2010

achei demais.

Isn't it so weird how the number of dead people is increasing even though the earth stays the same size, so that one day there isn't going to be room to bury anyone anymore? For my ninth birthday last year, Grandma gave me a subscription to National Geographic, which she calls "the National Geographic". [...] Anyway, the fascinating thing was that I read in National Geographic that there are more people alive now than have died in all of human history. In other words, if everyone wanted to play Hamlet at once, they couldn't, because there aren't enough skulls!

Em homenagem à volta às aulas.

3 de ago de 2010

se tem um barulho

que eu odeio é o do ponteiro dos segundos dos relógios. Tem um aqui do meu lado agora - que vai parar na minha cozinha em Porto Alegre -, mas mesmo com música eu não consigo deixar de ouvir o tic, tic, tic. Só perde pra barulho de chuva, embora a agonia decorrente do barulho dos relógios seja bem mais sensata. Quem é que quer ouvir o tempo passar, afinal? Independentemente da velocidade, já é bastante ver e sentir.